Blog MartinLab

Bem vindo ao blog do MartinLab! Aqui você pode encontrar comentários sobre artigos científicos discutidos em nossos seminários semanais, notícias comentadas e textos educativos. Nossas principais áreas de interesse são imunologia de tumores, imunoterapia do câncer e aplicações biotecnológicas em saúde.

Utilização de CAR bi-específico para tratamento de leucemia mieloide aguda

- Por Emmanuel Aragão- As leucemias podem ser classificadas pelo tecido de origem afetado: linfoide ou mieloide e, entre estes, quanto a sua progressão: aguda ou crônica. Neste sentido, embora o sucesso do tratamento imunoterápico no tipo linfóide, a leucemia mieloide aguda (LMA) representa um desafio para a identificação de um alvo especifico da linhagem tumoral que não seja expresso também nas células precursoras hematopoiéticos saudáveis (HSC). Trabalhos recentes desenvolveram células T com receptores quiméricos de antígenos (CAR) tendo como alvo as proteínas CD33 (KENDERIAN et al., 2015) e CD123 (GILL et al., 2014) e, embora tenham demonstrado citotoxicidade contra as células tumorais, a

Terapia alvo-específica: Maior afinidade, melhor resultado?

-Por Luiza Abdo- As terapias que utilizam células CAR-T têm uma taxa de resposta muito boa em pacientes com tumores líquidos derivados de células B. Contudo, isso não é visto em tumores sólidos. Existem algumas barreiras que impedem que as terapias com células CAR-T sejam eficazes no combate de tumores sólidos. Podemos citar a necessidade das células CAR-T se infiltrarem na massa tumoral sem sofrer nenhum tipo de bloqueio e, talvez mais importante, encontrar um antígeno específico e único que englobe todo o tecido tumoral (incluindo eventuais metástases). Esse último ponto é inconcebível em vários tipos tumorais, devido à grande heterogeneidade de alguns dos tumores sólidos. Apesar da hetero

O surgimento de um estado de alta plasticidade celular é capaz de promover progressão tumoral

Os cânceres podem compreender subpopulações de células com alterações genômicas e estados de transcrição distintos, que podem abrigar diferentes comportamentos biológicos dentro do mesmo tumor. A heterogeneidade intratumoral é essencial durante a progressão do câncer, fornecendo um mecanismo chave para o escape do sistema imune e resistência às terapias (Dagogo-Jack e Shaw, 2018). Com o avanço das técnicas de sequenciamento nas últimas décadas, foi possível desvendar em detalhes eventos genéticos que ocorrem durante a tumorigênese de alguns cânceres. Tumores são influenciados por múltiplos fatores intrínsecos e extrínsecos, dando origem a uma grande diversidade de estados de transcrição celu

Apoio Financeiro:

Instituto Nacional do Câncer (INCA)

Rio de Janeiro - RJ

Brasil

2020